• Time Whywaste

Como reduzir as perdas de seu supermercado com o auxílio das novas tecnologias



Segundo relatório de 2020 da FAO, agência ligada a ONU e que trata das ações mundiais ligadas à fome e combate a pobreza, aproximadamente 34% de todo alimento produzido no mundo é jogado fora. Para efeito de comparação, imagine o Brasil um grande pasto onde tudo que é produzido nos campos do Amazonas e Pará sendo jogado no lixo.


Percebemos que o problema do desperdício ocorre ao longo de toda cadeia de produção e distribuição de alimentos onde uma grande quantidade de produtos se perde ou se estraga em todas as suas etapas, sem exceção.


Uma das práticas bastante comuns, por exemplo, se dá entre os próprios agricultores / produtores logo no inicio do ciclo de produção, quando, diante de um cenário de ultra produção de determinado alimento decidem de forma coordenada descartar parte de sua produção ou simplesmente não colhê-la e assim evitar uma desvalorização no preço de sua commodities.

Já na etapa de distribuição, serão descartados durante a triagem aqueles produtos que não estão visualmente atraentes, ainda que sejam perfeitamente nutritivos. Quem já teve a oportunidade de visitar uma central de distribuição de alimentos como a CEAGESP deve ter ficado impressionado com esse cenário de desperdício.


Também chama a atenção à deterioração durante o transporte e movimentação ao longo de todo o percurso desde a colheita/produção até a sua mesa.


Todos os exemplos dados acima levaram o Brasil no ano passado desperdiçar aproximadamente 8.7 milhões de toneladas de alimentos.

As Consequências do Desperdício de Alimentos

Os desperdícios de alimentos têm sérias consequências ambientais, sociais e econômicas. Alimentos descartados são um dos tipos mais comuns de lixo municipal. No Brasil em especial alimentos significam aproximadamente 50% dos resíduos encontrados nos aterros e lixões.

Ao mesmo tempo, milhões de pessoas no nosso pais lutam contra a fome ou a insegurança alimentar. De acordo com o IBGE, 1/4 dos brasileiros, ou um pouco mais de 50 milhões de brasileiros experimentaram fome em 2019, índice esse que deve elevar ainda mais em razão da pandemia. Ou seja, os milhões de toneladas de alimentos desperdiçados poderiam fazer uma grande diferença na resolução desse imenso problema social, não é mesmo?


Mas o problema não para por ai.

Produzir todos os alimentos desperdiçados usa água doce e recursos terrestres, além de adicionar gases de efeito estufa à atmosfera e aumentar a taxa de mudanças climáticas. É preciso destacar que os gases gerados através da degradação de alimentos podem ser até 300 vezes mais nocivos à camada de ozônio e ao efeito estufa do que o CO2. Na verdade, caso fosse um país, desperdício de alimentos seria o terceiro maior emissor de gases tóxicos, perdendo apenas para Estados Unidos e China.

O desperdício de alimentos nos supermercados

Para supermercados e outros distribuidores comerciais de alimentos, o desperdício anual de alimentos custa em produtos aproximadamente R$ 8 bilhões de reais. Os custos, porém são maiores quando agregamos o custo de toda cadeia, como armazenagem, transporte e pessoal tanto direto como indireto, afinal as lojas não têm que pagar por esses produtos e seu transporte, como também pela sua permanência no supermercado assim como pelo seu descarte quando vão para o lixo.

Alimentos não comprados também ocupam precioso espaço na prateleira de outros produtos que poderiam ter girado, ou seja, é preciso entrar na conta o custo de oportunidade que aquele produto descartado tem para o supermercadista quando ele vai para a lixeira.

Preparando-se para enfrentar o desperdício de alimentos em supermercados.

Para um estabelecimento comercial, o combate ao desperdício de alimentos demanda planejamento, preparado, investimento e ferramentas. Você terá que entender os padrões de desperdício da sua empresa e adotar práticas que os evitem. Com um planejamento cuidadoso, você pode descobrir que seus clientes são um grande aliado no tratamento do problema.

Analise o seu resíduo:

Antes de começar a mudar as políticas e práticas da sua loja, você deve entender o ciclo de desperdício em seu negócio. O primeiro passo será entender o que é jogado fora todos os dias, afinal o "perfil" do descarte muda de acordo com a loja e sazonalidade.

Por exemplo, muita informação pode ser extraída da sua lixeira e do que sua equipe retira das suas gondolas diariamente dada a proximidade da data de validade. Conhecer o conteúdo do seu lixo diário vai ajudá-lo a entender o que você está fazendo certo e o que precisa ser melhorado.

Logo, ferramentas digitais podem auxiliar você a extrair esses dados automaticamente dando você acesso a esses dados com o mínimo de tempo e esforço.

Análise de Dados

Estamos na era da informação e esse nome surgiu por acaso. A transformação digital pela qual o mundo vem passando vem facilitando cada dia mais o acesso a dados a qualquer um. Dado, porém só vira informação estratégica quando analisados, logo esse é um dos campos que mais crescem em qualquer indústria. Para supermercados, criar um método de coleta e análise de dados de compra e descarte ajudará você a descobrir padrões de geração de resíduos.

Embora você não possa prever todas as tendências de consumo, você um bom sistema de informação fornecerá a vocês dados que apontem, por exemplo, uma superestimação na compra de produtos em um momento do ano em que a saída desse produto está baixa, e sendo esse alerta reforçado por dados históricos que apresentam aumento no índice de perda/descarte desse respectivo produto.

Compartilhamento com a Comunidade

Um passo útil na adoção de um plano de baixo desperdício é conectar-se com instituições de caridade e banco de alimentos próximos a operação do seu supermercado. Há hoje no mercado serviços especializados na divulgação de produtos que estão muito próximos ao vencimento e cujo volume em estoque a loja não terá capacidade de girar diante do prazo ainda existente.


Outra opção é a de doar aqueles produtos que são retirados da gôndola um dois ou três dias antes do seu vencimento. Envolver-se em causas sociais através da doação dos produtos próximos ao vencimento melhoram consideravelmente a reputação e conexão daquela loja na comunidade do seu entorno, sem trazer qualquer risco para o negócio como era no passado. Com nova lei 14016/2020 o ato de doar não trás mais os riscos antes existentes. Além disso, supermercados podem abater até 38% do valor do produto doado em impostos federais, recuperando financeiramente uma boa parte daquela perda.


Realizar a transação citada não é simples nem barato caso você opte a realizar isso manualmente. Há porem ferramentas que realizam todo esse levantamento de produtos, ajudam na triagem e separação além da conexão com as redes de apoio, seja para venda ou doação. Tudo de forma simples e rastreável.

Compostagem para minimizar resíduos orgânicos No local certo, sua loja pode ser capaz de configurar um site de compostagem da comunidade. A compostagem em sua localização reduzirá seus custos de descarte e dará aos clientes um lugar para trazer seus resíduos comportáveis para mantê-los fora dos aterros sanitários. Este site é mais uma oportunidade de divulgação da comunidade através de seminários sobre práticas adequadas de compostagem.


Ferramentas inteligentes podem ajudá-lo a identificar quais produtos são aptos para compostagem e quais devem ser encaminhados para descarte. Há também ferramentas que auxiliam no processo ou que conectam o seu supermercado com redes de recepção de produtos organicos e que serão utilizados no processo de compostagem e que inclusive podem ser fornecedores da loja na revensa desses insumos que são amplamente utilizados em jardinagem.

Programas de Incentivo ao Cliente

Como o custo é um fator importante nos hábitos de compra dos consumidores, sua loja pode explorar promocionalmente os produtos próximos ao vencimento, feios e/ou amassados. Uma dica é designar uma parte da loja para itens de preço reduzido, ou você poderia tê-los como uma opção de preço mais baixo misturado nos corredores destacando-os com novos preços e etiquetas em cores, sem esquecer, claro, de avisar ao seu cliente que aquele produto está com aquele preço por conta de sua data crítica.

Fazer uso de uma ferramenta apropriada pode ajudá-lo bastante a dar escala nesta operação que operacionalmente demanda diversas ações, porém que podem ser automatizadas ou reduzidas a poucos clientes.

Com o advento dos códigos EAN e QR, é muito mais fácil obter informações avançadas sobre os produtos em sua loja. Esses dados possibilitam rastrear seus itens à medida que se aproximam de suas datas de validade.


O consumidor moderno, por exemplo, já tem a ciência que produtos próximos da validade ficam em geral na frente da gondola logo tendem a pegar os produtos que estão logo mais atrás. Ou seja, quanto mais próximo da validade um produto se encontra, menor giro ele passa a ter.


Tecnologias como bigdata e inteligência artificial para ajudá-lo de forma inteligente a identificar, por exemplo, qual o desconto correto a se utilizar para cada tipo de produto, com base nas quantidades ainda existentes e prazo até seu vencimento.


Uma área e/ou ações dedicadas a "feio"

Os clientes julgam o sabor de um pedaço de produto por sua aparência. Eles têm opiniões fortes sobre como suas frutas e vegetais devem ser. Logo, a percepção da qualidade de uma área de FLV tem forte ligação a sua imagem de frescor.

Para criar essa imagem, todavia um exército de pessoas trabalham a todo tempo analisando abastecendo os setores com produtos novos ao mesmo tempo em que retira do sortimento produtos considerados feios ou que já apresentam certo estágio de maturação. E, em boa parte dos casos, o destino desses produtos, que ainda reúnem boa parte do seu valor nutricional vai para o lixo.

No entanto, os abacaxis que serão utilizados em um suco não precisam estar com sua aparência impecável. O mesmo ocorre em um tomate para qual será utilizada em um molho, ou cenouras as qual será cortada em cubos.


Para evitar desperdícios você pode considerar ter uma seção de produtos "feios" os quais serão vendidos a preços reduzidos, ou conectar sua loja a uma rede lanchonetes e restaurantes com quem você poderá negociar esses produtos e recuperar parte do valor que seria perdido caso esse produto fosse jogado fora.


Todo esse processo pode ser facilmente operado utilizando ferramentas digitais em vários "gargalos" de uma operação manual, como análise e aprovação de preços, impressão de etiquetas e códigos de barras específicos para os produtos próximos ao vencimento, além de conectar lojas as redes de compradores ou receptores de doações.

Implementar uma cultura de inovação

Vimos nos exemplos acima que todo mundo perde quando um produto é jogado fora. Para os supermercados perda de alimentos é um verdadeiro dreno em seus lucros e potencialmente prejudicial a sua imagem uma vez que a nossa sociedade vem se tornando cada vez menor tolerante com desperdício de alimentos.


Supermercados, porém podem explorar as novas tecnologias para tornar o que antes era um passivo, em um ativo importante para sua operação. A implementação de ferramentas como as apresentadas pela Whywaste possibilita ao supermercadistas reduzir suas perdas, reduzir o tempo dedicado por funcionários na gestão de seus vencimentos, aumentar suas vendas assim como melhorar sua imagem perante o público envolver um caráter social a sua operação de prevenção de perdas.

Ou seja, você terá um impacto que vai além dos benefícios financeiros. Seu supermercados fará uma diferença significativa na saúde e bem-estar de seus clientes e comunidade.

38 visualizações0 comentário