• Time Whywaste

5 iniciativas voltadas a reduzir o despedício de alimentos que serão tendência em 2021

Atualizado: Jan 14



Acredito que os últimos 5 anos tem sido animadores no que se refere a sustentabilidade. Percebo que o mundo está finalmente acordando para os problemas ligados ao modelo linear de produção, a emissão de gases tóxicos na atmosfera e seus impactos futuros de nossa própria sobrevivência. Hoje mais e mais empresas estão implementando soluções em logística reversa de seus produtos, o termo “economia circular” passou a fazer parte vocabulário das empresas, a indústria química vem se reinventando e criando cada vez mais insumos biodegradáveis e especial os plásticos, o uso de combustível fóssil por veículos automotores passará a ser proibido em alguns paises, Boeing e Airbus planejam lançar seus primeiros jatos de emissão zero, e por iniciativas ESG como as listadas passaram a pautar investimentos e sendo cada vez mais cobrada por acionistas.

Ainda há muito o que se fazer, mas certamente sustentabilidade virou tendência, logo tudo isso marca o começo de uma nova era.

Na verdade acredito que nossa geração será marcada na história como aquele que redigiu novo pacto social com o planeta e isso é um objetivo gradioso para todos nós.

Essa mudança de mentalidade vem sendo percebida também no setor de alimentos do nosso país. Quem trabalha no ramo sabe do desafio de eliminar o desperdício, a poluição que o setor gera e principalmente o dilema social que enfrentamos ao desperdiçar tanta comida em um mundo onde tantos passam fome.


Hoje 1 em cada 3 kgs de comida produzidos no planeta são jogados no lixo, gerando um custo global de quase um trilhão de dólares, com uma pegada ambiental monstruosa, incluindo emissões de resíduos na água,na terra e no ar. Por outro lado ¼ dos brasileiros vivem com algum grau de fome, em especial crianças.

Mas todo um esforço vem sendo feito pelo governo, empresas e também consumidores voltados a tornar as operações no setor mais sustentáveis, logo listo abaixo algumas iniciativas que acredito que passarão a ser tendência no ano de 2021.


1. Doação de Produtos Próximos ao Vencimento:

A conscientização de que não podemos desperdiçar tanta comida principalmente durante uma pandemia, onde milhões de brasileiros ficaram ainda mais suscetíveis a fome fez o estado criar e aprovar em tempo recorde a nova Lei 14016/2020 que elimina os riscos envolvidos no processo de doação de produtos e alimentos próximos ao vencimento por indústrias, atacado e varejo de alimentos.


A lei possibilita não só que as empresas dêem um caminhamento mais nobre aos alimentos que estão para vencer como podem se beneficiar com abatimento fiscal que pode checar a até 40% do preço do produto, reduzindo assim as perdas financeiras que o próprio supermercado tinha com o descarte de alimentos. Ou seja, uma iniciativa onde todos ganham que deverá se tornar cada vez mais popular.


2. Gestão Digital de Datas de Validade

Estamos vendo também uma verdadeira transformação digital em curso nos suspermercados que passaram a investir em tecnologias para gerenciar melhor o vencimento dos seus produtos. Dados da Abrappe (associação brasileira de prevenção de perdas) de 2019 apontam que 65% dos mercados e supermercados brasileiros não possuem profissional ou área dedicada a prevenir perdas. Na mesma pesquisa, apenas 35% dos supermercados informaram fazer uso de algum sistema de gerenciamento de datas de validade, com a maioria apontando cadernos e planilhas eletrônicas como sua ferramenta principal de controle.

Ao longo do ano porém mais e mais empresas passaram a investir em soluções digitais de monitoramento de validades, ferramentas que dão escala no processo de monitoramento e por consequência, ajudam os supermercados a reduzirem significativamente as suas perdas por vencimento, em algum caso até eliminarem as perdas por completo, como foi o caso da loja da Rede Coop da cidade de Vizby na Suecia sobre o qual falamos aqui. https://www.whywaste.com.br/post/loja-coop-de-visby-a-loja-sustent%C3%A1vel-do-ano-visa-agora-zerar-o-desperd%C3%ADcio-de-alimentos


3. Datas de Validade mais Acessíveis nos Rótulos.


A padronização do rótulo de data de validade foi identificado como uma das soluções mais simples, econômicas e eficientes para reduzir a perda e o desperdício de alimentos. Ainda não temos no Brasil uma padronização no formato de apresentar as datas de validade nos rótulos tal como já existe no caso da tablea nutritiva, porém é perceptível como a informação das validades estão cada vez mais fáceis de se encontrar nos rótulos.

Muito se deve porém ao hábito adquirido do consumidor moderno que mais preocupado com sua saude, passou a verificar com maior frequencia essa informação antes de adquirir um produto. É fato que se o consumidor encontrar dificuldades de encontrar essa informação na embalagem no ato da compra, passa a ser maior o risco daquele produto ser trocado por outro.


4. Embalagens Sustentáveis


Outra tendência que veremos ao longo de 2021 também tem a ver com embalagens porém se refere ao uso de embalagens ecológicas e sustentáveis. No ano passado vimos o nascimento de muitas iniciativas voltadas a eliminação das sacolas de plásticos com muitos supermercados passando a fazer uso de sacolas feitas com plásticos biodegradáveis. Vimos também alguns estados como o Rio de Janeiro que aboliram totalmente o plástico tradicional e esse movimento deve se intensificar ao longo desse ano. Também acredito que mais empresas passarão a utilizar materiais compostáveis, recicláveis, reciclados ou biodegradáveis. Além de cumprir as metas ambientais, as embalagens sustentáveis melhoram a imagem de uma marca à medida que os consumidores, mais concientes, também passaram a se preocupar com o impacto ambiental daquilo que ele consume.

5. Upcycling

Muitas marcas estão encontrando novas e inovadoras maneiras de lidar com a perda e o desperdício de alimentos, na tentativa de promover uma cadeia de suprimentos de lixo zero.


Uma tendência definida para atingir o mercado mainstream, em um esforço para reduzir o desperdício de alimentos, inclui a prática de upcycling alimentos. O upcycling permite que os produtores de alimentos agreguem valor a subprodutos ou ingredientes excedentes que poderiam ter sido desperdiçados de outra forma.


Um exemplo que tivemos no fim deste ano veio da Danone que criará uma linha de produtos que será produzida a partir de “frutas feias” ou seja, frutas, verduras e legumes que estão aptas ao consumo humano mas que simplesmente não atenderam os padrões estéticos da indústria e que por conta disso são jogadas fora.